sexta-feira, julho 09, 2010

Ai que saudade...


Num dia desses, fui visitar o blog da Luma, coisa que sempre faço e recomendo. Lá, vi o post Paixão Antiga, onde ela fala, entre outras coisas, de saudade. E mais: define esse sentimento tão especial como “Saudade é festejar a morte de um fato”. Claro que esta frase está num contexto próprio que se perde quando simplesmente retirado, portanto recomendo que leiam o belo post dela para se sentirem instigados como eu me senti. Destaquei esta frase por ela exatamente fazer gerar em mim reflexões que reparto com meus cinco leitores.
*

Não é tarefa fácil definir sentimentos. Tente enunciar “amor”, “paixão”, “desejo”, para ver se não tenho razão. E definitivamente não é tarefa simples definir “saudade”. Mas muita gente boa tentou. Querem ver? Vejam estas definições (e depois voltem para continuar a leitura) de gente poderosa como Neruda, Clarice Lispector, Quintana, Millôr, Drummond...
Particularmente, gostei muito da frase do Guimarães Rosa: “Saudade é ser, depois de ter”.
*
(Aproveite que você voltou e clique na seta para ouvir a canção que a Rádio Antigas Ternuras – a Rádio que toca no seu coração - selecionou para acompanhar a sua leitura)

*
Este é um blog temático, cujo objetivo é trazer fatos e coisas que mexam com a memória e despertem reflexão e conhecimento e alguns suspiros saudosos, é claro. E isto com boa dose de afeto no coração. Poderia até adotar como mote para este blog a célebre frase de Coelho Neto: “A casa da saudade chama-se memória: é uma cabana pequenina a um canto do coração”.
*
Mas então a nossa querida Luminha nos trouxe esta frase, que recordar é um pouco como cortejar a dor. Ou a loucura, por meio da dor. Assim, no supetão, admito que me inclinei a discordar. A saudade que cortejo é que nem coçar bicho do pé, uma dorzinha gostoooosa... (Ouvi essa de um mineiro de roça e quem sou eu para renegar a sabedoria do homem do campo...). Não tem a ver com dor ou loucura. Mas vejam só uma coisa:
A palavra “saudade” tem origem latina – de solitas, solitate = “solidão”. Porém, na forma arcaica do termo, ela recebeu influências de soydade, derivada de “saúde”.
*

Arrá! Então podemos ver saudade como manifestação melancólica... MAS, também podemos entendê-la como algo perfeitamente saudável. E esta forma de senti-la depende, obviamente, da ambiência psicológica em que estamos. Para alguém que perdeu um ente querido ou um amor, certamente essa saudade vai agir por dentro, como se alguém comesse pão com gilete e esperasse para ver o resultado. Para alguém que quer somente visitar a tal cabaninha no canto do coração, para quem teve e agora quer ser, lidará, sem dúvida, com o tal componente saudável.
*
Mas Luminha está eivada de razão quando divide as pessoas entre as que lembram (conscientemente) e as que esquecem (conscientemente). Às vezes a memória é um barbante amarrado em sorrisos e lágrimas. Quando puxamos o fio, vem tudo de uma vez. E isso desencoraja muita gente, que prefere guardar o novelo numa gaveta da cômoda chamada “esquecimento”.
*

Saudade envolve dores e delícias. A expressão “matar as saudades” é irreal e imprópria. Saudade é fênix, é Lázaro, não morre e se morre, revive. Também não é certo dizer que “saudade mata”. Pelo contrário: ela deixa a gente vivo para poder torturar mais um pouquinho. Igualmente não acredito que saudade é relembrar, visto que me sinto saudoso até do que não vivi.
Saudade nem sequer é privilégio dos homens. Já está provado que animais também a sentem.
Eu tenho saudade e ela me tem. A saudade é a constatação de que o vivido foi bom. Ô se não foi...
E você, tem a sua definição de saudade?
M.S.
***********************************************
Na Rádio Antigas Ternuras, você ouve Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Zé Ramalho cantando essa delícia que é “Ai que saudade d’ocê”, de Vital Farias.

9 comentários:

Luma Rosa disse...

Entendeu bem como me sinto quando escrevo sobre saudades. Não é todas as saudades que gostamos de lembrar, por isso dói e se muitas não queremos que se perca no tempo, mas mesmo essas que parecem remeter uma alegria, no fundo, no fundo, nos levam da resignação ou chorar de saudades. Das frases do link que indicou, escolhi: "A saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar" do Rubem Alves e até twittei!! :D. Obrigada pelo carinho, sempre!! Beijus

Luma Rosa disse...

Marco, só um detalhe: o link que direcionou para a postagem é do arquivo do mês todo. Cuuuuuuuuuuuuuuuusta a carregar e achar a postagem - ESte é o link:

http://luzdeluma.blogspot.com/2010/06/paixao-antiga.html

Bom fim de semana! Beijus,

Tertúlias... disse...

Voce é um tesouro!!!!!!!!!!!!!

Claudinha ੴ disse...

Olá Marco! Estou voltando, timidamente.

Eu gostei das definições que li aqui. Não sei se sei definir saudade, apenas sei que saudade dói.
Eu sinto saudade de pessoas, de lugares, de sabores e de cheiros perdidos nas brumas do tempo e que volta e meia aparecem na memória.
Vou ler o post de Luma ainda.
Eu também sinto saudades do que não vivi e também sinto saudade de sentir saudade... Pensei que isto só acontecia comigo! Rsrsrsrs!

Um beijo!

Francisco Sobreira disse...

Caro Marco,
Qualquer coisa, não só os sentimentos, é indefinível, porque é algo subjetivo, cada um tem a sua definição. Também gosto muito dessa frase de Rosa, aliás, a única, dos que se manifestaram, que conhecia. Bela postagem, embalada por essa música. Um abraço e uma excelente semana.

Jota Effe Esse disse...

Pra mim a melhor definição de saudade é esse de Rubem Alves. Meu abraço.

Chellot disse...

E por falar em saudade... olha eu aqui. Cheia de saudades desse cantinho maravilhoso e do seu dono também.
Beijos doces.

Claudinha ੴ disse...

Oi Marco! Voltei para agradecer a presença e o carinho lá nas comemorações do TP. As pessoas têm aderido mesmo agora e o post vai aumentando (que bom!)
Beijos

Cláudia disse...

saudade é melhor que caminhar vazio
(peninha)
adorei essa

ah...querido, só sente saudade quem viveu algo muito bom...

tenho um monte se saudade

beijoca