segunda-feira, outubro 02, 2006

Que pecado! (5) - Soberba



- Isso aqui já foi mais bem freqüentado...
- O que, querida?
- Você imagina que uma mulher veio me perguntar se a minha bolsa era legítima? Eu mandei um olhar congelante pra cima dela e disse: “Querida, eu não uso falsificações. Esse modelo Louis Vuitton não está à venda no Brasil. Comprei lá na matriz. Que eu não sei se você sabe onde fica...”. A mulher ficou bege!
- Huum, mas um “bege” combinando com a bolsa e o sapato?
- Você está engraçadinho, heim? Mas estou pensando seriamente em não vir mais aqui. Isso aqui não é mais tãããão exclusivo assim... Já tem gente fazendo turismo por aqui! Uma hora dessas, vai parar um ônibus da Stella Maris Turismo aí na porta e despejar um monte de gente triste por aqui...
- Gente triste?
- É... gente pobre. Pobre pra mim é uma tristeza!
- Filha, por que esse shopping aqui se chama Daslu?
- Ih, pai! Você é tão out! As duas fundadoras desse complexo comercial se chamam Lurdes – um horror de nome, mas isso não vem ao caso – mas os amigos as chamam de “Lu”. Então, o estabelecimento, quando era numa casa nos Jardins, ficou conhecido como “a loja das Lu”. Entendeu?
- Sei... Ainda bem que elas não se chamavam Custódia...
- Ué... Por que voc... Pai! Que horror! Piada de gentinha, credo...
- Você comprou alguma coisa?
- Quase nada. Eu estou precisando mesmo é dar um pulinho em Milano. E uma esticadinha em Paris e em Londres. Lá é que eu faço compras de verdade. Ah, estou pensando em renovar o closet inteirinho! Já falei com a Stella McCartney que quero alguma coisa nova, esfuziante pra arrasar no casamento da Kiki Besson Fagundes Varela. A caipirada paulista vai se roer quando eu entr... Pai! Você está me ouvindo?
- Hã? Claro, claro... Você falou que vai pra Itália...
- Relôu-ou! Eu falei isso há séculos! Você não estava prestando atenção... Fica olhando pra aquela mulherzinha de cabelos morenos, caindo pelas costas... pensa que eu não percebi você dando um cartão pra ela? Até isso já tem aqui na Daslu! Mulher se dando ao desfrute!
- O que é isso, minha filha? A moça estava precisando de um advogado...
- Huuummm... Pela roupinha dela, não tem cacife para bancar seus honorários. Conta outra, vai.
- Engano seu. E então? Você quer almoçar?
- Pode apostar os seus Armanis nisso. Mas não quero comer aqui, não. Vamos no Fasano. Estou farta de ver gente triste.
- Gente pobre...
- Ih, é a mesma coisa! Meus lábios estão clamando por um Romanée-Conti.
- O vinho do presidente?
- Credo, pai! Você tem cada uma...
******************************************************
Na Rádio Antigas Ternuras, você ouve Frank Sinatra e Ella Fitzgerald com “Lady is a Tramp”. Huuum! Maravilha!

25 comentários:

Márcia(clarinha) disse...

Ui! Quanta futilidade, quanto vazio interior nessas caras borradas de Victória Secret e roupas Prada...
E como tem gente assim, valhamedeus!!
Valeu pra saber de onde vinha o nome Daslu.
Tim, tim com suco de uva, ok? rsss
lindo dia querido amigo meu, agora pra valer,uuuuupaaaaaa [som de abraço apertado]
beijossssssssssss

Márcia(clarinha) disse...

Aff!
Errei seu nome Fábio, opsss, Marco, perdoa eu, foi por conta da emoção em estar diante de uma pessoinha tão linda como você, rsssss
beijosssssss

Roby disse...

Ai ai..conheci tanta gente assim Markito...digo "conheci", porque assim que senti que elas eram soberbas, eu me afastei imediatamente...
Hasta La Vista baby!
*
Tinha uma estrupício, que morava no mesmo condomínio que o meu...
A condenada, fazia uma festa em alto requinte, a cada mês de vida que o filho dela completava, é mole?? rs

Ahh Markito, estas futilidades não dão pra mim...
Quando digo que gosto de café passado com coador de pano é porque gosto mesmo...( embora tendo máquina).

________

Então tu e a Marcinha andaram tesoriando sobre minha pessoa é?? rs
Como fiquei feliz em saber disso meu querido, gostei ainda mais, em saber que tu fazes teatro,( adoro) e ai que inveja da Marcinha em ter te conhecido pessoalmente!!!

Abraço grande Markito!

Vera Fróes disse...

Vim lá da Roby, uma gaúcha como eu.(nascemos no mesmo dia, vc acredita?)e encontro dois cariocas, vc e a Clarinha, uma pessoa que adoro. Morei por 14 anos no Rio de janeiro, perto da calrinha, na barra, minhas filhas nasceram aí. Como não gostar dos cariocas???
Quanto a menina mimadinha tem muito o que aprender, viver só de aparências, sem se preocupar com a essência, a faz encontar pessoas tbm assim, que com certeza não lhe proporcionarão felicidade.
Nada contra quem curte e pode comprar roupas caréssimas de grife. Mas sem discrimnar quem não pode. Eu só exijo grife para os meus perfumes, para o resto é o que eu gostar e puder comprar.
Educação é tudo!

Abs.

Vera Fróes disse...

ops, morei perto da Clarinha...
...roupas carésimas...

Lili disse...

Soberba e futilidade juntas numa mesma pessoinha? Argh! Um beijão!

A Márcia vai conseguir a proeza de conhecer todos os blogueiros do pedaço? Uebaaa!

M.Eduarda disse...

Oi querido! De onde você conseguiu a inspiração pra tanta futilidade hein? E pensar que realmente existem pessoas assim... TRISTE! hehehe!! Estou adorando!

beijos

marconi leal disse...

Ha, ha! Genial, Marco!

Alê Barros disse...

Olá Querido...

Soberba...nariz empinado...tudo a mesma coisa! Pior é que no final das contas vai todo mundo pro mesmo lugar...debaixo da terra devorado pelos bichinhos...rs
Beijos e linda semana!

Claudinha disse...

Oi Marco!!!
A soberba... Eu me irrito profundamente com estas cabeças cheias de vento. Você soube transcrever direitinho o clima e o diálogo. Competente, como sempre, minino... Quanto à música, UAU! Nem preciso falar não é? E agora, a Marcinha a fazer inveja na gente por ter te conhecido? Ah, eu queria ir vê-lo no teatro também e levaria minha trupe de alunos do teatro amador daqui, você iria adorá-los!!!
Um beijão, os pecados estão muito bem representados aqui...

Fugu F. disse...

Amei! rsrsrs Realmente, situar a soberba na Daslu foi um recurso brilhante. Ótimo texto, como sempre. Só fiz beicinho para o comentário da Márcia (Clarinha). Ao contrário das roupitas Prada, Armani, etc, as lingeries e creminhos da Victoria Secrets não existem para ocultar o vazio interior. São apenas ... lindas embalagens para os dias em que a gente quer brincar de ser o presente ... rsrs

Mary disse...

Marco este seu texto fala...O pior é que tem muita gente assim até mesmo no meio dos pobres,sempre tem um pobre com espirito de rico. Ui! Que eu não gosto disso.
Meu querido te desejo uma ótima semana.
Magicos beijos pra você.

Giulia disse...

Amigo Marco! Os seus contos "capitais" estão prá lá de "bãos"... bem humorados, simples e bem ilustrativos. Supimpa!
Beijocas

Ana Carla disse...

Isso está tão tão tão distante da minha realidade, dear! Venha conhecer meu interior. Pode trazer o Fábio, também.

Vendetta disse...

Quantos pecados!!! Marco querido, eu bem gostaria de abraçar todos vcs! Vamos ver como a vida se ajeita até esse abraço acontecer... Muitas saudades...

DO disse...

Santa futilidade,hem MARCO,hehehe.
O pior é que tem gente assim.
Um dia vão acordar,por bem ou ...
Abração!

Vera Fróes disse...

Marco, como sou nova no seu espaço, não sei se vc é do tempo da brilhantina. Eu sou! Veja no Verdes porque.

Bjos.

Anônimo disse...

Ai, estou precisando ir a Paris renovar meu closet...kkkkkkkkkkkkkk
Ver pessoas falando isso me dá náuseas! Era até para eu gostar, já que sou estilista e sobrevivo graças a estas "fashion victims", e também porque estudei em Paris. Acho que a minha birra é porque eu vejo a moda como arte, não como status ou futilidade. E de uma coisa, você pode ter certeza: o diabo, além de vestir Prada, também usa Louis Vuitton!
Ah, e esta história da "das Lu" eu já sabia. Coisa de pobre! Pior que juntar nome do pai com o nome da mãe!kkkkkkk Brincadeira!

Bjão!!

rubo jünger medina disse...

Hum, Marco. Posso também chamar a soberba de esbonação, nariz em pé, etc... rs. Pelos diálogos, parece coisa de gente... gente... sei lá!
Abraços.

Taty*Florzinha disse...

Uauuuuuuuuuu... Os 7 pecados capitais? Engraçado, mas voc~e consegue passá-los de forma bem humorados, mas bastante reflexivos. Sua visão é primordial na abordagem. Bem, amigo... que sua semana seja bastante produtiva!!! Beijos com Carinho!

marconi leal disse...

Marco, pode, sim, republicar trecho do texto por aqui, claro. Será uma honra. Grande abraço!

Saramar disse...

Marco não sei se rio mis da história ou da própria personagem.
Ela sim, é muito triste, muito vazia, coitada!
Você, ao contrário, é cheinho de talento.

beijos

Anônimo disse...

Beijos querido...
Espero novo post!

Marco Santos disse...

Marcíssima, querida: Pois é. Sei que tem gente assim. E são pessoas que se consideram acima da humanidade. Só que um dia elas morrem, e aí...
Tim-Tim com Kapo de uva, cherìe!

Querida Roby: Acho que todos nós cruzamos no dia a dia com gente assim. Só podemos pedir pela misericórdia divina por elas.
Ah, você adoraria conhecer a Marcíssima! Vocês duas são pessoas fantásticas, que fazem o mundo ser um lugar ótimo pra se viver.

Querida Vera: Prazer muito grande em tê-la por aqui. Já fui retribuir a sua amável visita. estamos aqui sempre às ordens dos amigos. E se você é amiga da Roby e da Marcíssima, então é gente muito boa! Claro que eu sou do tempo da brilhantina! Usei muita Gumex! Vou lá ver o que você aprontou.

Querida Anne: Se você é estilista, então deve ter ouvido e conhecido muita gente que fala e pensa assim, não é? Interessante o seu conceito para moda.

Pois é, querida Lili... A soberba é um pecado dos mais terríveis. Ela tenta estabelecer diferenças entre pessoas.
Quem teve ou tem o privilégio de conhecer a Marcíssima, é veramente abençoado!

Pois é, querida Eduardinha: Acho que foi de conhecer pessoas que são sofisticadas por fora mas breguíssimas por dentro. Que bom que você está gostando!

Valeu, Marconi! Obrigado pela força! Vou incluir um trecho do seu belíssimo post em um texto futuro meu. Gracias!

Querida Alê: é o que eu sempre digo... Aí é que a onça vai beber água! Quero ver como essas pessoas vão se explicar!

Minha doce Claudinha: Eu tentei criar uma situação em que as pessoas atacadas pela soberba se manifestam. Sei que existe gente assim, infelizmente.
Na verdade, quem deveria causar inveja em vocês sou eu, por ter conhecido a Marcíssima pessoalmente. Vocês não sabem a figura humana que ela é.
Quanto a você me ver no Teatro e com seus alunos, bem, isso me encheria de tanta alegria que acho seria atacado pela Soberba...

Puxa, querida Fugu F., você gostou mesmo? Isso me deixa mais que feliz! Eu acho que a Daslu é o templo da soberba! Sobre o comentário da Marcíssima, eu entendi o que ela quis dizer. Ela fala de gente que ostenta marcas como se isso lhes fosse dar beleza interior. Tenho certeza de que a nossa querida Marcíssima também sabe e gosta de brincar de ser o presente...

Pois é, querida Mary: Sei que tens pobres com este mesmo espírito de soberba, mesmo sem ter condições para mantê-lo. E que se esses pobre ascenderem a uma melhor condição, vão tratar os outros pobre com uma soberba, um orgulho besta de enojar um cristão!

Que bom que você está gostando, querida Giulia! Isso me alegra o coração por demais!

Querida Ana Carla: Espero que o seu interior não seja nem um pouco pecaminoso... O dessas personagens que estou desfiando aqui nesta série é. E muito!

Querida Vendetta: Sei que você anda tristinha. O que é um pecado. Eu espero que essa onda passe logo. Fique com Deus.

Pois é, grande DO... Pessoas fúteis não tem a menor grandeza.

Grande Rubo: Esbonação? Êpa! Essa palavra eu não conheço! Mas essa soberba é coisa de gente... gente... que não sabe ser gente!

Oi, querida Thatty! Que bom vê-la aqui. Se está gostando da série dos pecados, fico feliz.

Ô, querida Saramar... Assim eu fico até sem graça... Ré! Ré! Ré!...

O novo post já está em cartaz, querida anônima!

Valeu, gente! Abraços e beijinhos e carinhos e ternuras sem ter fim!

Zeca disse...

Marco,

essa série está deliciosa. Esse texto colocando o exemplo da soberba dentro da Daslu me lembra até da novela Cobras e Lagartos... risos. O pior de tudo é que sabemos que existem pessoas até piores do que isso. Lá na minha lojinha de presentes eu testemunho cada uma que você nem imagina.

Abração.