sexta-feira, agosto 11, 2006

Inesquecível


TIAGO – Vô...Por que tem de ser assim?
AVÔ – Todas as coisas seguem uma lei, Tiago. Não existe a lei da gravidade? Leis dos homens, leis divinas?...Não há como fugir dessa lei, desse ciclo: nascer...viver...morrer...
T – Mas dói muito, vô...Minha mãe me disse para ver a morte como se fosse uma viagem. Mas quando meu pai viajava eu não sentia dor. Depois que ele se foi de vez...puxa! Dói demais!
A – O que dói é a incerteza. Quando alguém faz uma viagem longa, nós até podemos sentir saudades. Mas temos a certeza de que a pessoa vai voltar e isso nos consola. Quando alguém morre, não estamos certos se vamos revê-lo. Por isso dói tanto...Veja a morte como uma transformação. Você já deve ter visto algum filme mostrando a fecundação humana. Aquela cobrinha se junta com um carocinho e faz o milagre da vida. Você já pensou que já foi uma célula e que se transformou nesse rapaz tão bonito? Pois então! Nós estamos sempre em transformação. Quando morrermos, nos transformaremos em outra coisa.
T – É... Só que a gente não sabe conviver com a certeza da morte. É como se fosse um crime ou uma doença grave que a gente sempre vê acontecer com os outros. Até que acontece perto da gente...
A – Nós temos mais medo da morte do que de ficarmos doentes. E, muitas vezes, certas doenças são piores do que a morte. Veja, Tiago, nós estamos aqui no cemitério. Nesse momento você está ouvindo alguma coisa?
T – Não.
A – E por que?
T – Ora, vô... Estamos cercados por mortos. Eles não fazem barulho...
A – E se eu te disser que estamos cercados por vida? Veja, ali naquelas flores sobre o túmulo de seu pai... O que você vê?
T – Nossa! São abelhas!
A – Elas estão retirando o pólen e o néctar das flores. Sugam a doçura da seiva da vida sobre uma caixa de morte. E vão transformar tudo em alimento para outras abelhinhas. A vida tem de seguir. Onde você vê silêncio de morte, existe toda uma sinfonia de vida. Uma sonata de zumbidos, bater de asas...Além das abelhas, borboletas, milhões de outros insetos, micróbios, aves estão na azáfama cotidiana para continuarem vivos. Nossos sentidos são muito limitados...
T – É verdade, vô... Queria que o senhor estivesse sempre comigo para me ensinar coisas.
A – E quem disse que não vou estar? Mesmo depois que eu também me for, mesmo quando chegar o momento em que você descobrirá as coisas por si, ainda assim eu estarei perto de você.
T – Shhh...Vô, olha! Um beija-flor! Está vindo sugar as flores do papai! Quem sabe não é ele mesmo que veio me dizer que está bem e que estará sempre ao meu lado?
M.S.
*******************************
Neste domingo será mais um Dia dos Pais. E eu já não tenho o meu desde que tinha sete anos, o que significa dizer que nunca pude lhe dar um presente realmente meu. E ele me deu tantos... Principalmente, me deu uma sólida formação, me deu valores que ele acreditava e em que também acredito, me deu ensinamentos que eu deveria passar para meus filhos, se eu os tivesse.
Não pude lhe agradecer por estes presentes.
Mas quando vejo o homem que me tornei, acho sim, que acabei lhe dando alguns presentes. Onde quer que ele esteja, verá que o filho dele seguiu-lhe os passos e vive com a honestidade que ele tanto pregava. Que respeita seus semelhantes como ele respeitava. Que ama intensamente como ele amava.
A história acima tem o título “Sonata”, é mais uma das radionovelas que eu escrevi, em 2002, no tempo em que gravava para uma rádio comunitária.
Relendo-a, vi que o menino que conversa com o avô poderia ser eu mesmo, com todas as dúvidas que tive ao longo de tantos anos. E que esta história poderia ser a minha história.
Para você, meu pai, para que saiba que sempre, pra sempre, me será inesquecível. Feliz Dia dos Pais...
M.S.
**************************************
Na Rádio Antigas Ternuras, você está ouvindo Natalie Cole e seu pai Nat, cantando juntos “Unforgettable”.

27 comentários:

Bruxinhachellot disse...

Fiquei emocionada ao ler seu post. Queria ter tido um avô que me explicasse as coisas desse modo.
Não tenho mais papai há muito tempo e nessa época, uma comemoração fica meio sem sentido. Mas penso nos outros pais e em seus filhos juntos e fico feliz.
Feliz dia dos Pais para todos os pais do mundo!
Beijos e grata por atravessar o Labirinto.

DO disse...

Poxa,MARCO,que bela história. Que linda mensagem!!!
Vc conseguiu fazer-me ficar muito reflexivo. Não me dou bem com meu pai. Na verdde nunca nos demos bem... Massss...é o MEU PAI!!

Grande abraço a vc e parabens pelo post!!

M.Eduarda disse...

Nossa, fiquei realmente emocionada. Pela primeira vez em muito tempo meu pai passará o dia dos pais perto de mim. Ele vive viajando e nunca tem tempo, mas mesmo assim é uma pessoa muito presente na minha vida, alguém que me ensinou de tudo um pouco.

beijos

Vendetta disse...

Marco, molhei todo o teclado... Quanta emoção, que coisa linda! Papai se foi quando eu tinha 8 anos. A vida é assim, não? Lindo homem vc se tornou; lindo mesmo! Gosto muito de vc e rebeba meu sincero abraço e muitos beijos!

Vendetta disse...

oops, receba... ;-)

Claudinha disse...

Mais um texto emocionante meu querido... Estas lembranças que guarda de seu pai são um tesouro, um presente dos caros que sei que pode dar a ele. Ele, de onde estiver, certamente estará muito orgulhoso de você, pelo homem que se tornou e pelo minino que nunca deixou de ser...
Um beijo grande!

luma disse...

Não penso na morte e aprendi a aceitá-la. Tem outro jeito?? Já perdi muitas pessoas queridas, inclusive meu pai, quando tinha 5 anos. Me lembro como se fosse hoje.
Ás vezes imagino como seria a minha vida se ele estivesse presente. Com certeza, seria diferente. Mas não posso dizer se seria bom ou ruim. Com certeza seria mais um para me podar, assim como fez o meu irmão. É horrível ser caçula! É horrível ser a caçula das netas.
Feliz dia dos pais!! Beijus

Claire disse...

Às vezes escrevemos coisas q são explicações para nós mesmos. Quando pomos no papel, então, se torna claro. Pode ser um pouco isso q vc sente ao reler seu texto.

DO disse...

Marco

Em nenhum momento eu quis afirmar que os petistas são bandidos. Tenho amigos que tbem votaram e EU MESMO já votei ( Marta e Eduardo Suplicy ).
Como vc ,sempre procurei o melhor ao país,independente do partido.
Massss ( e sempre tem um mas... ),hj é evidente que existe algo muito sujo e nebuloso por trás desta lama toda.
Não estamos diante de um "mero" caso de corrupção . O que está em andamento é sim um maquiavélico plano de conquista definitiva de poder. E a massa idealista não sabe disto e serve como manobra.
Os líderes sim são bandidos.
Vamos conferir!!
Grande abraço e perdoe-me se me fiz entender mal.

Lili disse...

Puxa, Marco, desta vez você me pegou pelas lágrimas! Quanta emoção! Quantas palavras bonitas! Sabe, agora eu que fiquei com vontade de abraçar teu pai e dar-lhe os parabéns pelo grande filho que deixou! Um abraço em você, então.

Zeca disse...

Marco,

linda e justa homenagem ao teu pai! Normalmente se faz todo um carnaval em torno do Dia das Mães e o dos Pais acaba sendo só propagandas para vender um pouco mais. Após o seu texto, lembramo-nos que o nosso pai, de qualquer forma, teve importante participação em nossa existência. Mesmo que seja só para a fecundação. Mas um pedacinho dele se transformou e, junto a outro pedacinho da mãe, nos formou. Existem os pais presentes, os ausentes, os indiferentes e mesmo os desconhecidos, ou ignorados. Mas um pedacinho dele estará sempre em nós. Feliz Dia dos Pais para todos os pais. E também para o seu e o meu, ambos já vivendo em outras esferas.

Grande abraço.

Mutatis Mutante disse...

Meu pai pode ser o pior sujeito do mundo , mas porra! Ele é o meu pai... o cara que me fez gostar de música... :D

Abração!

Márcia(clarinha) disse...

Marco querido
que emocionante!
Não tem muito o que comentar, quebraria o encanto.
Meu pai herói se foi há 12 anos...
Lindo findi querido,
beijosssssssss

Fernanda disse...

Oi!!

Bom, queria lhe dizer que estou com um blog novo... Anote o link: http://fernandaruiz.blogspot.com/

Beijinhos

Fernanda

Ana Carla disse...

Sniff... buááá!!!

Lena Gomes disse...

Lindo texto, doce Marco, como sempre, nos encantando... Meu pai está vivinho, graças a Deus, com seus 74 anos. Só está longe geograficamente, e isso tem se repetido há alguns anos nesta data. Mas aproveitamos bem, quando estamos juntos. Meu abraço a todos os pais q por aqui passam, e um grande abraço pra vc...
Beijos.

Samara Angel disse...

oie meu querido Marco,me emocionou profundamente essa historia ,foi muito bom ler e meditar ,que lindo e confortante saber da transformação,senti meu pai pertinho de mim ,brigaduuuuuuuuuuuu,por ser essa pessoa maravilhos e estar na minha caminhada,como é bom ter vc na minha estrada ,muito brigaduuuu pela gentileza e carinho que deixa no meu cantinho,desejo uma noite linda ,muita luz em sua vida,bjsssss

Dira disse...

amore. lindo demais. vc está cada vez mais perfeito que vamos começar a virar lugar comum nos comentarios. eu fiquei emocionada. eu tenho um pai biológico. acho q já te falei. eu o amo e ele me ama. ele me ensinou muita coisa. mas quando ele foi embora, eu tinha apenas 7 anos. entao n tenho muito referencial paterno. tenho uma mãe que foi pai e mãe ao mesmo tempo. queria ter esse sentimento paterno para homenagear. o meu padrasto, já "viajou", mas eu o amei, como pai.

te amo, viu?

Saramar disse...

Marco, meu querido, euu ainda não havia lido nenhuma mensagem, nenhum post, nada sobre o dia dos país, por absoluta incapacidade, medo ou covardia, chame do que for.
Mas, essa história tão singela, tão linda, que me deixou aos prantos, conseguiu abrir meu coração para enfrentar este segundo dia dos pais sem o meu, que se foi há pouco tempo.
Vi que sou tão mais feliz que você porque o tive ao meu lado até alguns dias atrás e devo agradecer muito por isso.

Obrigada, meu querido amigo.
Não sei se é pai, mas se for, meus parabéns e minhas homenagens porque sei que é um pai tão maravilhoso quanto o amigo que é.

Beijos.

Karine disse...

Hoje me emocionei aqui... os dias dos pais sempre me emocionam... ainda tenho o meu, mas tão distante de corpo, alma e coração, que às vezes é como se nem o tivesse... uma pena! Mas procuro lembrar das coisas boas que ele me proporcionou enquanto ainda quis estar por perto...
Beijo no coração! E nada de tristeza amanhã!! Bom domingo, com cheirinho de pipoca e algodão doce de parque de diversões onde os pais nos levam quando somos pequenininhos de altura!!

lúcio disse...

Abraço, Marco. Como vão as coisas?

_Maga disse...

Lindissma novela Marcos... lindissima!!! Eu gostei demais... fala de coisas que eu penso e que demorei muitos anos pra aprender... acho que em 2003/2004 eu realmente consegui compreender isso... e só hoje (ao 22 anos) consigo ver os ciclos da vida de forma clara, e com mais segurança... talvez maturidade...

Um lindo texto... peço permissão para ele entrar para os meus arquivos de blocos de notas de textos especiais... (com todas as referencias, claro ;))

Ah... os pais... caregamos o legado deles por toda a vida, impreterivelmente...

Beijos pra ti...

Paulo Assumpção disse...

Marco, este seu texto me tocou bastante. Ainda mais neste Dia dos Pais. O meu, graças a Deus, ainda está comigo. Porém, meu único avô vivo encontra-se internado na UTI de um hospital. Foi duro vê-lo neste estado em uma data como esta. Há uma semana, ele disse que morreria, mas que isto faz parte da natureza. Parecia compartilhar das idéias do post, ainda que não o tivesse lido. Uma visão lúcida sobre o sentido da morte. Contudo, ainda que concordemos com tal pensamento, precisamos do vô Sylvio por perto. Por isso, solicito a você e aos seus leitores que têm fé um espaço em suas orações para pedir ao Pai do Céu a recuperação do meu avô. Um abraço!

Lena Gomes disse...

Paulo, já estou por aqui, acrescentando seu vovô nas minhas conversas com Deus, ok? Torço para que tudo dê certo, e que ele se recupere. Como já está tarde, te ligo durante a semana. Beijos.
Marco, um beijão pra vc, também.

claudia disse...

lindo seu post...
parabéns.

linda a música...essa música me deixa emocionada...eu que não sou dada a muitas emoções...rs
falar do pai deveria ser um prazer não é?
eu não o tenho...nem o pai, nem o prazer em falar nele.
mas como superei tudo isso...quem sabe um dia ainda blog algo assim tão especial e bonito como vc. fez hoje...
um beijo querido no coração
fica na paz...

Marco Santos disse...

Queridos amigos, agradeço muitíssimo pelas suas palavras. Beijos para todos:

Claudia Bruxinha: Eu também não tive um avô que me explicasse coisas, nem avó. Como não tive pai por muito tempo, ficou a cargo de minha mãe explicar aos filhos estas coisas da vida. E a própria vida se incumbiu do resto.

Grande DO: Fico feliz que tenha refletido sobre a sua relação com seu pai. É sempre bom resolvermos relações nessa vida. Se deixamos pra próxima, pode ficar mais complicado.
Sobre a questão política, fique tranquilo. Não há problema algum. Entendo a sua indignação, mas continuo achando que mau-caratismo não é privilégio de nenhum partido em particular.

Querida Eduardinha: Espero que o dia ao lado de seu pai tenha sido maravilhoso.

Querida Vendetta: Obrigado, amiguinha. Nossos pais velam por nós lá da espiritualidade.

Minha doce Claudinha: Espero mesmo ser motivo de orgulho pro meu pai, porque eu sempre me orgulhei muito dele. Tento seguir seus ensinamentos, guardar os seus valores. Com ele aprendi, por exemplo, o carinho que se deve ter pela mulher amada. E eu tento seguir seus exemplos.

Querida Luma: Os "E Se..." na nossa vida sempre apontam para outras múltiplas possibilidades. Prefiro pensar que se o seu pai fosse vivo teria muito a se orgulhar da filha.

É possível, cara Claire, é possível. Nossos escritos são expressões de nós. E, em muitos casos, são reflexões inconscientes que colocamos pra fora como um desabafo.

Obrigado, querida Lili: o meu velho ficaria feliz em receber o seu abraço.

Grande Zeca: Em mim há bem mais de meu pai que sua contribuição genética. Você tem razão em seu comentário:os pais tem sempre importância na nossa formação.

Ô, grande Mutante: Tenho certeza que seu pai não é o pior sujeito do mundo. Um jovem com a sua formação e inteligência tem, necessariamente, o dedo de um pai que cuida dos filhos.

Obrigado, querida Marcíssima. Um forte abraço ao seu pai. De onde ele estiver há de estar zelando pela filhota, netos e bisnetos.

Olá, Fernanda. parabéns pelo novo blog.

Querida Ana Carla: O texto te emocionou? Puxa...

Doce Helena: Um abraço forte ao seu pai, mesmo à distância, com todos os motivos possíveis para se orgulhar das filhas.

Linda Samara: Somos vencedores por nossos pais, que mesmo de longe, nos protegem e ajudam. Obrigado por seu carinho.

QueriDira: É claro que seu pai te ama, amiguinha. Você só lhe dá motivos e razões para isso. E sua mãe, foi uma heroína por ser também pai para os filhos.

Querida Saramar: Não tenho filhos, mas fiquei comovido pelas suas palavras. E pela sua reflexão em entender que teve o seu pai por mais tempo que muitos. Graças a Deus por isso. Ele, de onde estiver, está muito feliz com a filha que deixou aqui. Bola pra frente, querida. Ele gostaria que fosse assim.

Não tem tristeza, querida Karine: Sou grato a deus por ter tido meu pai, mesmo por pouco tempo. E por ter aprendido com ele tantas lições.

Tudo na paz, amigo Lúcio. Bom tê-lo por aqui.

Querida Maga Marcela: Eu me sinto honrado por ter meu modesto texto em seus guardados. Que bom que você compreendeu que vida e morte são partes de um ciclo inevitável mas de muito ensinamento.

Grande Paulo: Que Deus mantenha o seu avô entre nós, e com saúde. se for de Sua vontade. A lucidez que ele demonstra nesta adversidade é comovente. Um forte abraço pra ele.

Valeu, moçada. Abraços e beijinhos e carinhos e ternuras sem ter fim!

Conchita Machado disse...

Belíssima história/mensagem!!!

Voltarei para VER/LER mais e mais.

"Admirar é amar com o cérebro.!
(T.Gautier)

Deixo beijinho
ConchitaMachado