segunda-feira, agosto 28, 2006

A Casa do Lago


“É possível amar alguém que você nunca viu?”
Essa é a pergunta que está no cartaz do filme “A Casa do Lago” (The Lake House, USA, 2006, dir. Alejandro Agresto), em cartaz nos cinemas daqui. Trata-se da refilmagem de “Siworae” (Il Mare), do coreano Lee Hyun-seung, de 2000, que nem lembro se chegou ao Brasil.
Tinha visto o trailer e achado a proposta interessante. Gosto do gênero fantástico. É uma de minhas eternas ternuras.
*
Em uma casa a beira de um lago, em Illinois, Kate Forster (Sandra Bullock) troca cartas com Alex Wiler (Keanu Reeves) utilizando uma caixa de correio, aquela americana tradicional, com bandeirinha e tudo. Até aí, tudo bem. Só que ela está em 2006 e o cara em 2004. Opa! Tem viagem no tempo na parada? Já me interessou!
*
Não, não tem viagem no tempo. Só a correspondência viaja no tempo. Aliás, uma árvore também faz o percurso. Sabe-se lá como, a caixa de correio criou uma espécie de portal, levando as cartinhas deles de uma época pra outra.
*
No início, eles estranham. Mas depois entram no jogo e se escrevem o tempo todo, falam sozinhos como se conversassem um com o outro o tempo todo, pensam um no outro o tempo todo... Ou seja: fazem tudo o que qualquer pessoa apaixonada faz.
Ah, sim. Eles acabam se apaixonando. O que nos remete à pergunta inicial.
*
“É possível amar alguém que você nunca viu?”
*

O que diriam os meus milhares de leitores? É possível duas pessoas se apaixonarem por correspondência? Lembro que o cinema já andou abordando o assunto no belíssimo “Nunca te vi, sempre te amei”, título imbecil que deram aqui a “84 Charing Cross Road”, com Ann Bancroft e Anthony Hopkins.
*
Tem um momento no filme que achei bem interessante: a personagem da Bullock diz algo como: “nunca houve corações tão abertos, nem gostos tão afinados”, como justificativa para o amor que surgiu entre eles, na troca de mensagens. E aí, o amor chegou por palavras escritas, pelas afinidades que ambos demonstravam ter. Isso é possível?
Sim, é.
*

Há na história do filme algumas pontas soltas, especialmente pela possibilidade de se mudar o passado, o que qualquer interessado no assunto sabe que traz graves conseqüências. Mas, de qualquer forma, além de deixar aquela pergunta na cabeça de quantos o assistem, é um filme que diverte e embala os corações mais românticos.
Afinal de contas, quem não gostaria de dançar juntinho “This never happened before”, de Paul McCartney, de rostinho colado, num jardim, numa noite de inverno...
Eu gostaria.
M.S.
**************************************************
Na TV Antigas Ternuras, você vê o trailer de “A casa do Lago” (mas isso aqui está ficando muito chique...)

23 comentários:

Márcia(clarinha) disse...

Eu acredito que se possa amar sem nunca ter visto, amor puro livre de aparências e manias.
Estou doida para ver esse filme, vi o trailer que me deixou com o coração leve,leve.[romântica como sempre,rs]
Mas que essas antigas ternuras estão se tornando muito modernas,rsss,tem até You Tube, hummmmmm, chic no úrtimo :)
Linda semana meu querido,
beijosssssssssss

DO disse...

Nossa,Ma4co,gostei muito da dica e da sua análise.
O filme parece mesmo ser imperdivel.
Vou conferir.
Otima semana a vc
Abração!

claudia disse...

Oi coração
vou assistir o filme. E amar alguém sem nunca ter visto claro que é possível...e então, o que justifica esse amor por ti...( rs...)
Um beijo meu anjo...
e sabe, qq. forma de amar vale a pena...

Vendetta disse...

Ternurinha, vou ser sincera, não li teu post.... vim aqui só te beijar, meu querido!
Então: BEIJO!

Claudinha disse...

Olá Marco!
Você me deixou com vontade de ver o filme. Eu me amarro nestes assuntos. Eu acho sim que é possível amar alguém que nunca se viu. As cartas são uma paixão minha e quantas delas eu não joguei ao mar,dentro de garrafas de água mineral, sempre que ia para o litoral. Pena que nunca deixei cópias, de algumas ainda tenho ligeira idéia.
Você sempre nos emocionando... Eu quero ver este filme!
Amei o trailer. Eu acredito que a força de uma paixão possa driblar até o tempo, e que ela possa se repetir por muitas e muitas vidas, e você?
Um beijo grande.

Yumi Yabiku disse...

ahuhahua pois é, parceiro, seu blog tem rádio, tv... chiiiiique! huahuahua daqui a pouco ele começa a servir uns drinks pra gente! \o/

então, ainda nao vi esse filme, quero ver esta semana... estão falando muito bem! estou com um bom pressentimento ;)

um bjoooooooo

rubo jünger medina disse...

Marco, já vi alguma coisa algo sobre esse filme na Warner. Fiquei interessado. É o tipo de história que me agrada muito. Espero assiti-lo.
Abraços.

Giulia disse...

Mas que chique mesmo, amigo Marco! Adorei a amostra "de grátis" do filme e da sua sinopse. Quanto à questão,acho que é possível, sim amar sem nunca ter visto, à distância, por correspondência, mas conheço somente casos de ficção. Agora, carinho e ternura, isso posso comprovar aqui, por você, querido amigo. Beijos

Loba disse...

Tenho que começar me colocando: sou uma pisciana romãntica e absurdamente sonhadora. Assim, só posso dizer que acredito. Mas digo mais: já vivi algumas histórias que se não foram de amor foram de paixão avassaladora! rs...
Morro de inveja destas modernices, viu? Sou uma analfabética neste mundo e mal sei o que é You Tube. E o pouco que sei é de visitar quem o coloca à minha frente!
Mas gosto muito do que leio aqui. Hj li um pouco mais do seu passado. Sem dúvida ele é feito de muitas ternuras. E quem pode dispensar esta delícia? rs...
Beijãozão

Zeca disse...

Claro que acredito que se pode amar alguém nunca visto! O belíssimo "84 Charing Cross Road" mostrou isso de uma maneira delicadíssima.
Espero que "A Casa do Lago" chegue logo aquí, senão só quando sair em DVD.
Abração.

Claire disse...

Caso real, Marco: o poeta Robert Browning e a poetisa Elizabeth Barrett se apaixonaram por correspondência, antes de se conhecerem 'ao vivo".
E estou louca pra ver esse filme q vc citou, A casa do Lago. Espero q passe aqui!

Lili disse...

Claro que sim! No fundo a gente ama mesmo o que não conhece, a fantasia, a ilusão. Tenho certeza de que vou adorar este filme. Um beijo!

Lili disse...

Ah, gostei da idéia dos drinks da Yumi. Quando? rsrs

M.Eduarda disse...

Marco, eu AMEI esse filme. Ele é maravilhoso, uma história de amor pra ninguém colocar defeito, principalmente uma romântica assumida como eu.
Lembro de assistir ao filme entre um suspiro e outro. Eu o recomendei a minha mãe, que baixou na internet (muito moderna, ela) e assistiu hoje.
Estava no curso e na hora da saída vi que tinha um recado na caixa postal, quando ouvi ela era aos prantos hehehe Também amou o filme!

Beijos

ps:Será que é possível se apaixonar sem nunca ter visto a pessoa? Não sei... mas que é possível se criar uma enorme afinidade, isso é! Adoro você!

Roby disse...

Markito...isso só é possível nas pessoas sonhadoras..que gostam da ilusão, do que não existe!
É fato e real nos apaixonarmos pelo mistério...ou tudo aquilo que desconhecemos.
O ser humano já é carente por natureza, e quando se trata de romance, ai sim..ele sonha, cria, FANTASIA COISAS QUE ATÉ DEUS DUVIDA...mas porque ele quer, ele deseja que seja assim, e não porque o fato existe.
Acredito que possamos amar o desconhecido, mas não passa de ilusão, portanto simultaneamente deixa de ser um amor verdadeiro.

Vou assistir este filme pela atriz que adoro de paixão...
Gosto de mistérios...passagens de tempo, coisas deste gênero, mas não quando se trata de extrema ilusão romântica..Bahhh..rs

Markito, tem um filme no qual um rapaz se paixona pela foto de uma Marquesa, ( a foto estava num museu) as épocas eram de 1887, e ele vivia no ano 2000...vou procurar saber como é o título deste filme em português pra ti ok?
O filme é bom demais.

Aquele abraço meu amigo!!

Ana Carla disse...

Que dica boa!! Ando cheia de ternuras. É claro que acredito em tudo o que é romântico! rs... E adorei o vídeo! Nesse cafôfo só falta mesmo uns petiscos, hehehe... Beijão, Marco!!

Mutatis Mutante disse...

Cara , fiquei muito a fim de ver esse filme. Sandra Bullock , problemas com tempo e Keanu Reeves são três boas razões(nessa ordem , claro) para ver um filme desses.

Abração!

PS:Passa na Padoca que tem umas mudanças lá!

Saramar disse...

MArco,m eu querido.
Eu acredito no amor, em qualquer de suas formas. Por isso, creioq ue sim, é possível amar sem se ver, sem se tocar.
Aliás....
Bem, vou ver o filme, claro. Se você indicou, é coisa muito boa.
Obrigada.

luma disse...

Vou assistir o filme, porque tenho simpatia pelos atores e porque é algo relaxante, estamos precisando disso.
Tenho no meu pensamento uma pessoa ideal, perfeita, pela qual me apaixonaria. Só que essa pessoa não existe, não fisicamente. Estaria eu apaixonada por alguém ou por uma idéia?
No caso dessa pessoa se materializar, sua presença física traria outras idéias! (rs*)
Beijus

Marco Santos disse...

Marcíssima querida: Concordo contigo. Também acho possível. O filme vale uma conferida, com certeza.

Grande DO: Pode ir sem susto, amigo. É um bom entretenimento.

Querida Claudia: Do jeito que você é romântica, tenho certeza de que você vai adorar este filme. Obrigado por seu carinho. Vale a pena qualquer forma de amar? Huumm... Não sei. Acho que tem uns jeitos meio estranhos para mim.

Querida Vendetta: Ué! Você não está de férias? Não resiste em dar uma entradinha na internet, não é? Ré! Ré! Ré!...

Minha doce Claudinha: Tenho certeza absoluta de que você vai amar o Casa do Lago. Pode assistir sem receio. Puxa... Você lançou cartas de amor ao mar? E ele te enviou alguma resposta?
Claro que eu acredito que uma paixão ultrapasse o tempo! E eu não adoro o filme Em Algum Lugar do Passado? Para mim, um amor forte nessa vida com certeza é continuação de algo vivido em outras. Creio mesmo que vivo algo assim...

Parceirinha Yumi! Ri uns cinco minutos seguidos de seu comentário! Ah! Você é um barato, parceirinha! Adoro o seu senso de humor! Rá! Rá! Rá!... Mas a idéia está anotada. Talvez eu coloque um garçom servindo uns birinaites e uns belisquetes enquanto vocês assistem o filme... Ré! Ré! Ré!...

Grande Rubo: Achei o filme bem interessante. Um bom entretenimento que deixa indagações na cabeça da gente.

Querida Giulia: Pois é! Agora, quando eu fizer resenha de filmes, vou tentar ver se incluo o trailer. A pipoca é por minha conta!
Só na ficção? Ah, eu conheço uns casos bem reais...

Querida Loba pisciana: Acredito piamente que você tenha vivido paixões avassaladoras sem a presença do amado.
Quanto ao You Tube, já te ensinei como colocar. Go ahead!
Obrigado pelas palavras carinhosas.

Grande Zeca: Estou contigo! Também acho perfeitamente possível. Parece que é possível baixá-lo pela internet. Se você tem boa fluência em inglês, talvez seja uma boa pedida.

Cara Claire: Huumm...Nada como uma amiga erudita para nos dar esses toque precisos. Perfeito, amiguinha. Valeu!
Estou certo de que você vai gostar do filme. Especialmente da parte em que ele fala de um livro do Dostoiévski...

Querida Lili: Também acho. No amor, nós visamos o que nos toca especialmente na pessoa amada. Fantasias inclusive.
Aguarde que vem aí o Antigas Ternuras Degustação.

Querida Eduardinha: Eu vi a sua crônica sobre o filme. E o viu acompanhada, aproveitando o clima para beijocas e carinhos sem ter fim, não é? Você que é feliz... Quem eu queria que estivesse ali comigo, não estava...
Sua mãe deve ser romântica como você.
Obrigado por seu carinho pelo “tio” Marco. Eu também te gosto muito, viu? Mesmo torcendo por quem você torce...

Querida Roby: Pois é...Já dizia John Lennon: “Você pode dizer que eu sou um sonhador. Mas não sou o único”.
Esse mistério, essa fantasia que nos faz apaixonar é o tempero que dá vida ao amor.
Eu também me amarro nesses assuntos. E gosto do trabalho da Sandra Bullock também.
Esse filme de que você fala me faz lembra o Em Algum Lugar do Passado. Claro que me interessa!

Querida Ana Carla: Imagino, uma romântica inveterada como você, adorando este filme...É bem legal mesmo. Güenta aí que vai rolar uns beliscos...

Grande Bruno: O Keanu Reeves não é exatamente um grande motivo pra mim...Mas a Bullock e o tema, ah, esses eu gosto!
Tô indo lá conferir as novidades na Padoca!

Querida Saramar: Concordo totalmente contigo! Aliás, como sempre...
Pode ver o filme, sim. É bem legal.

Luminha querida: Acho que você vai gostar do filme. Quanto ao seu “amado”... Não entendi bem... Existe ou não? Se não existe, trate de fazer como eu: arranje um amor de carne e osso. Acredite: é bem melhor!
Valeu, moçada! Abraços e beijinhos e carinhos e ternuras sem ter fim! Amem e se deixem amar! É muuuuuuito bão!

sandra camurça disse...

Puxa, Marco, muito bacana o teu blog! Cheguei aqui via Balaio Vermelho. Legal a dica do filme e assisti "Nunca te vi, sempre te amei": lindo mesmo! Um abraço.

Anônimo disse...

Eu amei demais esse filme!!!
Ainda mais pq ele é protagonizado pela Sandra Bullock, uma atriz que eu amo muito,adimiro bastante o seu trabalho!!!!
Recomendo a todos esse filme, pois ele é muito bom!!!!

leticia disse...

eu amei muito esse filme...
Vi na minha casa, fikei super emocionada!!!
superrr!
parabens pelo site, vou por nos favoritos do meu blog^^
e pc, bjux