quarta-feira, outubro 25, 2006

Abraços grátis


Imagine você andando na principal avenida de sua cidade e então subitamente encontra alguém com um cartaz escrito:
“Abraços grátis”
O que você faria?
a) Virava o rosto para o outro lado e passaria batido
b) Pensaria na razão de o hospício deixar esse maluco solto por aí
c) Apertaria a bolsa ou a carteira de encontro ao corpo achando que o cara é um tremendo 171
d) Abriria um sorriso e os braços e topava o convite.

Vamos ver, na TV Antigas Ternuras, o que fizeram os passantes da rua onde o cara exibia o tal cartaz.



Como vocês viram, mais de cinco mil pessoas entraram no jogo. Ficou até uma cena bacaninha, algo com bastante humanidade (no sentido de benevolência e amor ao próximo). Eu acho muito legal a chamada "Terapia do abraço". Nada como um pouco de sentimento no nosso cotidiano.
*
Mas fico pensando no que aconteceria se alguém fizesse isso aqui, no meu Rio de Janeiro. Uma pessoa, com um sorriso largo, em plena Avenida Rio Branco, ou no Largo da Carioca, com o tal cartaz.
O historiador Sergio Buarque de Holanda (pai do Chico) disse que o brasileiro é um “homem cordial” (há controvérsias; dizem que o primeiro a falar isso foi Rui Ribeiro Couto). Essa tal cordialidade seria, segundo ele, relativa ao fato deste homo brasilis agir segundo o coração; nem tanto no sentido de ser bondoso e bem mais por orientar suas ações pelo afeto e pelo rápido clima de intimidade que ele logo estabelece.
*
Nesta linha, imagina-se que uma empreitada como essa seja um baita sucesso, com o Largo da Carioca ou a Avenida Rio Branco se abraçando, com todos emocionados.
*
Pessoalmente, tenho minhas dúvidas se isso aconteceria mesmo.
Os costumes, hábitos, práticas sociais são adequados a cada tempo. Na época das antigas ternuras, o riso e o abraço eram bem mais francos do que hoje. Atualmente, andamos pelas ruas assustados, imaginando se a “roleta russa da violência” não vai nos alcançar desta vez. Aqui no Rio, no último final de semana, uma família estava em seu carro, na Tijuca, quando foram parados por dois assaltantes. Os sujeitos depenaram a família e os passaram para o banco de trás, saindo com o carro. Os meliantes não andaram nem 500 metros e foram parados por outros dois ladrões, que fizeram a limpa nos “colegas de profissão” (realmente, já não se tem mais ética neste país...) e saíram com o carro deixando todos na rua.

Num clima como esse, daria para a gente sair abraçando desconhecidos por aí?
Não me admiraria se aparecesse mesmo por aqui um cara com esse cartaz, alguém fosse abraçá-lo e ele diria baixinho no ouvido da vítima: “Perdeu! Perdeu! Não reage que isto é um assalto. Vai passando a grana!”
*
Estou exagerando?
Talvez sim, talvez não. Na dúvida, se alguém vier me dar um abraço grátis, antes vou “dar uma geral” no cara, revisto-o de cima a baixo e se ele estiver “limpo”, sem nenhum “ferro”, aí, sim, abraço na boa.
Como se dizia no tempo das antigas ternuras: “seguro morreu de velho!”
M.S.

27 comentários:

DO disse...

Não sei se estou sendo preconceituoso ou pessimista,MARCO,mas acho impensável isto aqui no Brasil.
Aqui em SP ,então,onde as pessoas maç se olham na cara e andam sempre apressadas...não creio não.
Mas adorei a iniciativa do rapaz. Confesso que fez um bem danado só em olhar.
Abração!

Vera Fróes disse...

Marco, para ser bem sincera tbm olharia a pessoa para ver se era confiável. Se achasse que sim daria o abraço numa boa.
Mas vamos combinar que o moço do clip estava bem ao estilo de John Lennon, o que ajudou o seu desafio.

Bjos.

Anônimo disse...

É complicado, nos dias de hoje é meio dificil se confiar em alguém não é mesmo?! Eu ficaria na duvida e não me arriscava!
Bjosss!!!
http://aislinnahimana.weblogger.com.br

Vendetta disse...

Marco, que ternurinha linda!!!
Eu quero ganhar teu abraço! E não te preocupes ue estou sempre desarmada...
ou melhor, vou sempre armada do meu melhor sorriso para ganhar abraços dos meus queridos amigos, como vc.
um beijo cheio de muitas saudades!
amanhã eu deixo um post lá no divã... ando meio sem tempo.
mais beijos

Lili disse...

É uma grande pena que esta maravilha não possa acontecer em muitas cidades do Brasil. Pena mesmo. Deixo meu abraço a você e a todos que passarem por aqui.\o/

P.S.: Gostei da dezena anterior por "saliência" também. Não sabia que correspondia ao porco. Vivendo e aprendendo. Quem foi o visitante nº 20,000? Eu sou a 20,037º.

Beijos!

Anônimo disse...

Que lindo, Marco! Eu acho que um abraço diz tanto, mais até que um beijo (ainda mais agora que as pessoas passaram a beijar qualquer um).
A afiliada da Globo aqui da minha região promove todo ano o "Dia do Abraço", para as
pessoas "abraçarem" quem está em outra cidade da região. Seria melhor se o abraço fosse de verdade, mas já que não dá...
Realmente, aqui no Brasil esta história de "free hugs" não daria certo. Infelismente.

Um super mega abraço!

Claudinha disse...

Ei Marco! Tudo bem?
Olha, eu sou desconfiadérrima, mas tudo por causa dos sustos que já levei na vida. Mas se for alguém em quem eu confie, mesmo que for alguém que nunca tivesse visto antes e que meu sexto sentido me liberasse, eu abraçaria sim. Um abraço sincero e cheio de ternura. Eu sou normalmente uma pessoa muito carinhosa, vivo abraçando meus amigos e meus colegas de trabalho e isto realmente faz de nós pessoas muito ligadas, mãos que ajudam as outras e braços que sustentam uns aos outros. Mas eu reservo os meus melhores abraços para aquelas pessoas que moram dentro do meu coração, são abraços de 43 mãos, de asas de borboletas, iluminadas pela lua, com um pouquinho de chocolate com pimenta.
O sentimento é contagiante e se todos resolvessem se abraçar e ao menos sorrir nas ruas... Não seria muito melhor?
Ah, um abraço!

Jéssica disse...

Dizem q eu abraço com a alma, não sei se é vèro...rs... mas do jeito q eu gosto de um carinho, de um aconchego, abriria os braços e corria pra pessoa, estivesse ela do jeito q estivesse, fosse ela de qquer raça ou cor. Homi, seu mininu, c mi fazeu xura ninovu, pola...rs... Mas é bom, dizem tb q as lágrimas lava o coração, se bem q o meu até q anda limpinho...rs... Beijos, vc é fantástico e a cada dia fico mais tua fã... tchau e olbrigada por me dar a honra de me visitar no meu 'lugar gostoso'...

Sandrinha disse...

d) Abriria um sorriso e os braços e topava o convite.

Esse é o problema do mundo moderno, desconfiamos de tudo e de todos.

Eu acredito na terapia do abraço.

Eu adoro abraçar, passa uma energia tão boa, faz tão bem a alma e ao coração, quantos de vcs não estão felizes só em olhar as imagens?

Se fosse possível daria um abraço em todos vocês.

Um abraço bem gostoso e apertado a todos.

Márcia(clarinha) disse...

Mas que amigopratodavida mais desconfiado eu tenho, aff!
Se eu vejo alguém me pedindo um abraço eu me abro em carinho e lá vou eu, parto mesmo pro abraço, rssss
Que fazer? sou assim, tem jeito não..:)
Sobre essa familia nem comento nada, terríveis momentos passarm, nossa!!
Ontem no Multishow vi um lance desse, um cara[ator,claro!] com uma placa enorme pedia um abraço, as pessoas a principio desconfiadas passavam batidas, mas foram se chegando e no final era uma grande festa de braços entrelaçados, lindo!![mas era no canadá, oficorse,rs]
lindo dia querido
beijosssssssssssss

claudia disse...

rs

bom, estou rindo aqui e me vendo com uma placa dessas na mão, rs, olha provavelmente eles iriam me internar.
mas fiquei pensando seriamente no assunto, acho que vou colocar uma placa aqui em casa...quem sabe funciona ( quase nada carente né?...rs...)
um beijo querido

( linda música )

Roby disse...

Markito, aqui já teve a campanha do abraço e deu certo...muito por sinal!
Quem tomou a iniciativa foi um padre suiço aque aliás vive bem pertinho de minha cidade...
Ele pegou alguns rapazes e mandou distribuir abraços nas ruas de Zürich..e não é que deu certo??
Nossaaaaaaa, foi um show , achei lindo demais!!
*
Mas cá pra nós...no Brasil eu não daria upa! rsrs
Sai pra lá urubu..heheheh
Pra depois me apontar um canhão 38?
Eu fora,..,rs

Mas pra ti eu dou um megaaaa upaaaaaaa!!!
Upa procê Markito!

°°°°°°°°°
Sempre achei que tu tivesses no mínimo 3 filhos..fiquei surpresa em saber que tu não tens.

Roby disse...

Markito, obrigada pela indicação do blog de sua amiga...
Fiquei encantada, sinceramente ela escreve lindamente!

Upaaaa!

Alê Barros disse...

Oi querido,
Eu não consigo abrir os vídeos por aqui, mas posso imaginar o que houve...
Bem, não sei o que faria se encontrasse no centro de Sampa, em plena Praça da Sé ou em frente ao Teatro Municipal alguém com esse cartaz, msa acho que se a pessoa abrisse aquele sorriso, acho que não resistiria ao abraço!
Um beijo e lindo dia pra vc!

Vera Fróes disse...

Marcos, vc viu que aqui no Brasil já estão imitando o australiano Juan Mann?
Veja neste endereço:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u65468.shtml

Bjos.

Vera Fróes disse...

Marco, sei que vc é singular, tanto que sempre o tenho tratado assim, veja no primeiro comentário desse poste. Se acrescentei um "s" no segundo foi pura distração. Sorry.

Bjos.

M.Eduarda disse...

Olha Marco eu acho que essa cordialidade do brasileiro varia de região para região. Aqui no Rio o povo é realmente muito "dado", prestativo, adora ajudar o próximo. Em locais como São Paulo o pessoal já é mais frio.
Mas concordo contigo, os tempos são outros. Eu por ex jamais abraçaria um estranho na rua sem mais nem menos, muito menos no Centro da Cidade. Nunca se sabe não é? E não estamos acostumados a demonstrações explícitas de carinho hoje em dia.

Falando em "hoje"... o maraca vai TREMERRR! Ho ho ho! Tô tentando ir pra la... tenho um bom pressentimento que colocaremos a Força do Mal em seu devido lugar... bem no final da tabela! hahaha

beijos

Lino Resende disse...

Marcos:
Acho o gesto muito bonito, estimulante. Mas não creio que funcione no Brasil, principalmente em razão da violência que vivenciamos.
Se alguém aparecer na rua, assim, com esta proposta, certamente será chamado de louco. E todos vão evitá-lo.
Sinceramente, não sei o que faria.

Claire disse...

Ah, esse foi um dos poucos youtube q eu vi!! Em geral desisto, pq aqui demora sééééculos pra carregar, e pára muito. Mas o clip é legal. Utópico, mas...

nancy moises disse...

Eiiii marco, obrigada pelo voto viu, conto com vc smepre ta?
Pois eh Minas é tdo de bom mesmo.rsrs bjs meu amigo e um otimo final de semana.

Ana Carla disse...

Aqui a gen te desconfia até de sorriso grátis. Que pena. Beijão!! Inteiramente grátis!! rsrs...

M.Eduarda disse...

Amore, o jogo acabou de acabar. Não fui ao maraca, infelizmente... estou rouca até agora!
Eu te avisei... não canto vitória antes do tempo...dá azar!
Aliás Jean foi definitivamente exorcizado! hahahahaha Jogou MUITO! Com direito a comemoração e tudo! Viu a rã? hahahahaha
Quem preciso da caixinha de lenços de papel no final da história? hahahaha
beijos!

Anônimo disse...

Marco, esse vai ser um longo comentário.
Eu sou revisora de textos (propaganda gratuita, ai, ai) e como tal, leio todo tipo de coisa, a maioria na área das chamadas "ciências humanas".
Um dos mais interessantes e emocionantes textos que li tratava do toque no tratamento hospitalar.
Lendo o belo texto, aprendi algo que é comum em nosso cotidiano e que mal percebemos: as pessoas perderam a capacidade e a coragem de se tocar. Há um certo pudor, uma envergonhada reticência em relação ao toque físico.
E, infelizmente, com isso, perdemos nossa capacidade inata de acariciar, de sentir a pele da outra pessoa, de nos mimar com um abraço. Perceba que não me refiro apenas ao contato físico entre amantes, mas entre as pessoas em geral.
Há filhos que nunca receberam um abraço dos pais, assim como há avós gelados pela distância física dos seus filhos e netos quando um abraço, uma carícia lhes faria mais bem que alguma dose de remédio.
Lendo seu texto e vendo as imagens imaginei o quanto faria bem a todos se pudéssemos abraçar sem medo, sem desconfiança e, ao contrário, abraçar com carinho de amigo, com amor de irmão.
É assim que quero lhe enviar um abraço.
Desculpe, meu querido essa imensidão de palavras.
Obrigada pelas lindas amigas que a quem você me apresentou. Ambas foram presentes que você me deu.

Beijos

Samara Angel disse...

oi meu querido Marco,lindooooo demaisssss se pudessemos abraçar as pessoas sempre que tivessemos vontade,mas aqui em sp acho impossivel um cartaz assim fazer efeito,infelizmente,mas te juro gostaria que existisse isso ,como é bom abraçar e sentir-se abraçada,mesmo que seja por desconhecidos,acho que seria melhor ainda ,sentir um afeto de algeum como a gente aqui na net,nos abraçamos mandamos beijos e sentimos isso em nosso coraçao e é tao gratificante,vc é especial ,brigaduuuuuuu por existir e estar na minha caminhada,sinta meu abraço e beijs,

Fernanda disse...

Não sei qual seria a minha reação. Provavelmente, eu daria um sorriso e seguiria em frente... Infelizmente, o mundo é tão cruel que a gente vê maldade até em um abraço! Esse é o mundo em que vivemos!

Kisses

Marco Santos disse...

Grande DO: Não acho que você tenha sido preconceituoso, nem pessimista, como eu também não o fui. Apenas constatamos que o clima nas grandes cidades, embora peça por manifestações como esta, nos deixa muito ressabiados. Em clima de “All You Neede is Love” e de “Imagine”, eu até toparia sair abraçando todo mundo. Mas... E sempre existe um mas...Nos grandes centros é aconselhável confiar tanto?

Querida Vera: Concordo com você. E além do cara parecer com o John Lennon, ele está na Austrália. Não acredito que o ambiente lá esteja como o daqui.
Já fui no endereço que você indicou e vi que existe até uma Confraria do Abraço! Acho isso fantástico! Tomara que isso se dissemine e faça como previu Lennon, “que o mundo seja um todo”.

Querida Suzanne: Antes de mais nada, obrigado pela visita. Já retribuí, com enorme prazer.
Pois é, a gente confia desconfiando.

Querida Vendettinha: Confio e te abraço na boa! Estamos todos com saudades de seus comentários e posts.

Querida Lili: Você acredita que o visitante n. 20.000 fui eu? Pois é. Entrei para responder aos comentários do post anterior e o marcador estava lá com este número cheio!
Essa terapia do abraço público deveria ser disseminada, embora a gente sempre fique com o pé atrás.

Querida Anne: Eu vivo abraçando os meus amigos! Aí não tem desconfiança! Já soube que tem uma Confraria do Abraço aqui no Brasil, o que acho ótimo!

Minha doce Claudinha: Eu também sou como você. Se minha intuição me diz sim, eu abraço forte e com prazer. E assim como você, reservo meus carinhos especiais para pessoas com quem tenho afinidades astrais. Aí, eu até me multiplico e me transformo em um, dois, três, QUATRO pessoas, cheias de amor pra dar!
Ia ser ótimo se todos pudéssemos abraçar nossos semelhantes.

Querida Jéssica: Você abraça com a alma? Uau! Que bom pra você e para os seus abraçados. E quem não gosta de um carinho, de um afago? A saudosa Leila Diniz dizia que cafuné, ela aceitava até de macaco. Pois é.
Você se emocionou por ser uma bela pessoinha sensível que traz seus sentimentos à flor da pele. É sempre um prazer visitá-la.

Querida Sandrinha: Que bom que você se deixaria abraçar, sem maiores desconfianças. Abraçar o próximo é muito bom. O filme passa uma energia muito boa.

Marcíssima, querida amigapratodavida: A vida que me faz ser desconfiado. Não me orgulho disso. Sei que você é uma pessoa cuja alegria de viver chega a contagiar. Tive um imenso prazer em conhecê-la e abraçá-la. Tem Confraria do Abraço em muitos lugares do mundo. Deveria ter em TODOS os lugares do planeta.

Querida Claudia: Ué! Você precisa de placa para andar em casa? O maridão e a filhota não te cobrem de abraços, não? Aposto que sim, mas você se diz carente e quer sempre mais, não é?

Querida Roby: Tem Confraria do Abraço na Suiça? Que legal! E dá certo, não é? Bem, aí não tem ladrão como tem aqui... Deve ter sido muito bom de se ver mesmo.
Aqui no Brasil, só vejo abraços coletivos dando super certo no ambiente do futebol. Quando o Mengão faz um gol, eu saio abraçando todo mundo que está por perto!
Claro que eu aceito o seu abraço e o retribuo com alegria no coração!
(Três filhos, eu? Bem, tenho três sobrinhos de sangue e diversos por consideração, pois fiquei pra titio...)
Que bom que você gostou do blog da Saramar! Ela escreve maravilhosamente bem! Recomendo a todos que apreciam um bom texto!

Querida Alê: Que pena que você não consegue visualizar a TV Antigas Ternuras... Se a intuição nos diz para retribuir o abraço, por que não?

Eduardinha, querida: Imagino que hoje você esteja mais feliz que pinto no lixo, não é? Paciência. Tem dia que as Forças das Trevas consegue dar uma dentro.
Abraçar no Rio é meio complicado mesmo...

Caro Lino: Talvez até funcione no Brasil, em locais menos violentos. Já teve em São Paulo, gente andando com cartaz, oferecendo abraços. Alguns até entraram no clima.
Aqui no Rio, eu ficaria desconfiado. Minha intuição é que determinaria se eu deveria confiar ou não.

Cara Claire: Que bom que você conseguiu abrir esse, não é? É... Um tanto utópico, sim. Mas tem a sua graça...

Querida Nancy: De nada!

Querida Ana Carla: Se em Jardinópolis vocês desconfiam até de sorrisos, imagine no eixo Rio/São Paulo! Obrigado pelo seu beijo grátis! Pra você também!

Querida Saramar: Gostei de saber de seus afazeres. Sobre os benefícios do toque humano, do calor humano, eu bem o sei. Quando eu dava aulas de expressão corporal para instrutores de treinamento, usava a famosa Técnica de Alexander e outras coisinhas. Quando um professor, um chefe, dá uma instrução tocando, ele faz o tocado produzir uma substância chamada ocitonina, que é um derivado da serotonina, que é o hormônio do prazer.
Os latinos, especialmente os daqui da América, se caracterizam pela efusão física no contato com os semelhantes. Na Europa, não há essa cultura. Mesmo na França, país latino, se você toca em alguém eles consideram como “invasão de privacidade”. Vem daí as relações frias.
Espero que a violência não nos leve para este rumo.
O seu comentário foi ótimo! Maravilhoso, como tudo o que você escreve. Tenho o maior prazer em recomendar aos amigos para visitarem o seu blog. Sempre têm coisas belíssimas por lá.
A Claudinha e a Roby, que foram conhecer os seus escritos ficaram encantadas. Como eu sempre fico.

Linda Samara: Que ótimo saber que você apreciou o post. Sim, seria maravilhoso se pudéssemos abraçar a todos os nossos semelhantes, sem receios. Muito obrigado pelo seu carinho. Você é uma pessoa incrível.

Querida Fernandinha: Pois é. Eu também ficaria um tanto cabreiro. Minha intuição iria determinar como deveria proceder.

Valeu, moçada! Considerem-se abraçados, sem desconfianças! Carinhos pra todos!

Lucas disse...

Hoje, ao sair do meu trabalho no Rio de Janeiro, passei pelo largo da carioca e tinha uma moça com um cartaz "abraços grátis". Abri um sorriso, e ganhei um abraço muito gostoso!!! Isso aconteceu de verdade (em breve deve aparecer vídeo) Essa iniciativa pode sim dar muito certo, mesmo em cidades desconfiadas como o rio.
Muitos abraços para todos!